*PUTA*

/
0 Comments
 
   


     Em uma noite lá pelas 23:00 horas, Clara estava saindo de casa para ir a uma boate com seus amigos. Se arrumou todinha e se sentia maravilhosa. Já pronta desceu de seu apartamento que ficava no oitavo andar e foi direto a portaria. O porteiro, muito simpático se ofereceu para chamar um táxi,o qual ela recusou educadamente. A noite estava linda demais para passear de carro.
     A boate que Clara iria ficava a apenas dois quarteirões dali e era extremamente conhecida na cidade. Os amigos já estavam a sua espera.
      Clara que havia chegado na cidade a apenas três meses ainda se encantava com todas as suas luzes. Sua namorada, Anne, havia nascido ali e já lhe mostrara boa parte da cidade.
       Clara já estava apenas a um quarteirão da boate, resolveu cortar caminho e entrou em uma rua pouco movimentada,e a partir desse momento ela se tornou o que a sociedade determina como uma puta.
       A rua estava deserta como sempre, mas havia algumas donas de casa fumando em suas janelas. Isso fez Clara se lembrar de sua de sua família,que morava em uma cidadezinha do interior .      
      Após andar alguns metros pela rua, ela percebeu um movimento entre as sombras e se assustou. Pegou a bolsa que carregava e tirou de lá um canivete que sempre carregava consigo. Foi nessa hora que um rapaz saiu das sombras que se estendiam pela rua. Ele tinha um porte forte e atlético. Estava bem vestido, com um beck nas mãos e claramente alterado.  Ele se pos em frente  Clara e a impediu de seguir caminho.
    -Onde a moça bonita tá indo?- perguntou ele com a voz embargada
     Clara, já atônita demais pra falar alguma coisa,apertou o cabo do canivete entre as mãos e tentou seguir caminho.
     -A moça não vai responder? -tornou a perguntar o rapaz,mas dessa vez a segurando pelo braço com uma força brutal.
      Clara em um movimento rápido pegou o canivete e desferiu um golpe na mão que a segurava e correu na maior velocidade que conseguiu. O rapaz agora machucado, alterado e furioso correu atrás dela, segurando-a e empurrando contra a parede.
     -Sua vagabunda, olha o que você fez comigo! -Ele esbravejou lhe dando um soco no rosto.
      Nesse momento ,Clara que já estava aos prantos, tentou gritar por ajuda, mas já não via as mulheres na janela e o agressor lhe tapou a boca.
       -Você não devia ter feito isso sua puta -Ele disse e a empurrou pras sombras.
         Ele a estrupou e matou,da forma mais covarde que se possa imaginar: com o canivete que ela mesmo havia carregado para se proteger.
       
        As senhoras que fumavam na janela alguns minutos antes, viram tudo,mas não chamaram a polícia ,muito menos pensaram em ajudar. Deram os ombros e foram se deitar.
         E enquanto tudo isso acontecia, os amigos e a namorada de Clara começaram a se preocupar com a sua demora e se dirigiram ao prédio onde ela morava. Chegando lá foram informados pelo porteiro que ela havia saído a mais de uma hora. Já desesperados, eles telefonaram para polícia e deram nota sobre o desaparecimento.
        Os amigos de Clara foram embora com o coração na mão e Anne subiu pro apartamento de Clara para o caso de ela chegar durante a madrugada.
        Ela esperou e esperou, até que acabou adormecendo, estirada no sofá. Acordou as 10hrs com o celular tocando. Era Tiago,um dos amigos que iam a boate na noite anterior.
     -Alô,Tiago?
     -Anne -disse ele com voz chorosa- Você pode descer aqui na portaria?
    -O que aconteceu Tiago?
    -Só vem pra portaria Anne. Por favor!
    Anne, já pressentindo o pior correu pro elevador. Ao chegar a portaria encontrou vários policias no saguão, e seus amigos com olhos vermelhos e inchados.
   Um policial veio em sua direção ,com olhos frios e calculistas,e sem um pingo de compaixão na voz lhe disse:
    -Clara está morta. Foi encontrada assassinada a um quarteirão e meio daqui. O corpo já foi enviado ao legista para ser analisado. Já avisamos a família e o corpo da garota será mandado a cidade natal.
     Anne desabou em lágrimas com um grito agonizante que veio do fundo de sua garganta. Foi consolada pelos amigos que também choravam.
      Clara foi velada e enterrada dois dias depois, na cidade de Passa Vinte, no sul de Minas.
     Sua morte foi noticiada no rádio,internet e televisão e consequentemente seu assassino foi encontrado. Este era filho do dono de uma grande multinacional, e pagou a fiança. Está em liberdade e mudou de país mantendo assim a reputação limpa.  Seu pai abafou o escândalo com alguns milhares de dólares.
       Clara, a garota que teve um preço pago com a vida,ficou conhecida como uma garota perdida, uma puta. Dizem por ai que ela pediu pra ser estrupada,afinal se ela estivesse dormindo ou lavando a louça isso não teria acontecido.
        Alguns cristãos falam por ai que foi castigo de Deus e que ela mereceu o fim que teve. Afinal era "sapatão", e Deus abomina homossexuais e manda todos pro inferno.
       Clara representa muitas mulheres nos dias atuais. Assediada, estrupada, vítima e morta, mas no fim, a culpada por tudo foi ela mesma. No fim da história ela é apenas mais uma puta pagando por pecados que outra pessoa cometeu, pagando o preço por ter sido morta.

~GabbyL.R~                  




You may also like

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.